nov 19 2014

Gestão é a principal causadora da atual crise das águas, afirmam especialistas reunidos em Workshop na UFMG

10644420_633233303466355_6625177236205336765_n

Os graves problemas da crise da água e suas consequências para o mundo se tornaram tema de um workshop internacional realizado na UFMG, nos dias 17 e 18 de novembro.

O evento reuniu especialistas da América do Norte, Latina e estudiosos em gestão de recursos hídricos do Brasil. “Nosso objetivo foi reunir especialistas de diferentes áreas do conhecimento para apresentar suas visões sobre os recursos hídricos e sua absoluta importância para o desenvolvimento nacional, considerando aspectos como qualidade e quantidade, abastecimento e saúde pública, indústria, mineração, reuso, agricultura e conservação da biodiversidade com vistas a oferecer subsídios e diretrizes para a melhor gestão desse recurso essencial”, afirmou o professor Ricardo Motta, coordenador geral do evento, que também contou com a coordenação internacional do Sea Grant Programe da University of Flórida, através do professor Karl Havens.

Na abertura do evento na manhã de segunda-feira (17), fez parte da Mesa de Honra, o presidente da Fundação Unesco-HidroEX, professor Octávio Elísio Alves de Brito. Na oportunidade, ele destacou que é preciso criar responsabilidade com relação à conservação e o reuso da água, rompendo a barreira cultural do esbanjamento e do desperdício. “É muito importante que a educação e a ciência estejam dando as suas colaborações e o desenho de uma nova governança da água no mundo”, disse Brito. De acordo com ele, é preciso criar uma governança que procure acima de tudo formar uma cidadania responsável, através de uma educação ampla”. Segundo o presidente da HidroEX, a Unesco diz em seu Programa Hidrológico Internacional que segurança hídrica é fundamental para o desenvolvimento sustentável e ela só acontecerá com a educação desde o ensino fundamental à capacitação da sociedade sobre o uso adequado da água”.

A primeira palestra do evento foi feita pela consultor internacional da Fundação Unesco-HidroEX, doutor Richard Meganck, que abordou o tema: Our Shared Water Crisis and the Neeed for an internacional Water Convention”. Ele também destacoou a preocupação de uma governança global dos recursos hídricos, ao destacar que existem no mundo 276 bacias compartilhadas.

O coordenador geral do Projeto Manuelzão, Marcus Vinícius Polignano, foi um dos palestrantes. Ele abordou a crise e a relevância sobre a gestão dos recursos hídricos, onde expôs a crise na bacia dos rios São Francisco e Velhas. Para ele, há necessidade de se rever a governança das águas que atualmente vem sendo feita pelo uso irracional dos recursos naturais.

“Nossa política atual é de exaurir esse recurso. Hoje as pessoas estão consumindo, consumindo, até o momento em que não há mais o que consumir. Nesse contexto, pensam em fazer governança. Isso é um absurdo, os sinais dados pelo meio ambiente são claros, o que faltou foi exatamente governança e essa é uma discussão que diz do presente e do futuro porque se persistir esse modelo, ele não se sustenta, não se mantém e não se viabiliza”, ressaltou.

O professor Karl Havens, também compactua desta afirmação e defendeu a necessidade de mudanças na governança mundial nos recursos hídricos. “O momento é de chamar a atenção dos países do mundo a elaborar idéias e estratégias na gestão das águas”, disse.

Durante o workshop, será lançado o livro “The Warter Crisis”, fruto de uma parceria entre o Sea Grant Programe-University of Flórida e o Laboratório de Gestão Ambiental de Reservatórios da UFMG – LGAR.

O evento continua nesta terça-feira (18), com abertura às 9h com palestra da diretora da Fundação Unesco-HidroEX, doutora Tania Brito. A temática abordada por ela será: “Glaciers and Ice Sheet and the Water Crisis”.

Link permanente para este artigo: http://www.hidroex.mg.gov.br/?p=304

nov 18 2014

Diretora da Fundação Unesco-HidroEX, doutora Tania Brito, faz a palestra de abertura do segundo dia do Workshop Water Crisis, em Belo Horizonte.

10647222_633405403449145_6390151122914215579_n

Link permanente para este artigo: http://www.hidroex.mg.gov.br/?p=301

nov 18 2014

Presidente da Fundação Unesco Hidroex, professor Octávio Elísio Alves de Brito, faz parte da abertura do Workshop Water Crisis, na UFMG em Belo Horizonte, na manhã desta segunda-feira (17).

10805831_632968823492803_2477226951330894033_n

Link permanente para este artigo: http://www.hidroex.mg.gov.br/?p=298

nov 18 2014

Consultor da Unesco Hidroex, Richard Meganck, faz a palestra de abertura do Workshop Water Crisis.

10632727_632971490159203_938404650441721499_n

Link permanente para este artigo: http://www.hidroex.mg.gov.br/?p=295

nov 14 2014

A Fundação Unesco HidroEX apoia este evento: Participe!

banner

Link permanente para este artigo: http://www.hidroex.mg.gov.br/?p=286

nov 14 2014

Aquecimento global vai reduzir água potável do planeta, aponta IPCC

IMG_3505Um dos efeitos pouco divulgados pela elevação da temperatura na superfície terrestre é a possível redução de água nos mananciais do planeta. A afirmação foi feita pela mexicana Blanca Jiménez Cisneros, diretora da Divisão de Ciência da Água da Organização Educacional, Científica e Cultural das Nações Unidas (Unesco) e membro do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo.
Blanca afirma que os relatórios do IPCC demonstram que a cada 1oC de aumento da temperatura mundial pode haver uma queda de 20% no suprimento de água potávelpara 7% da população mundial, cerca de 490 milhões de pessoas. .

Em regiões áridas e semiáridas tropicais – em áreas do México, África e nordeste brasileiro – esta porcentagem de habitantes sem água poderia subir para alarmantes 90%. Além do aquecimento global, a mexicana ressaltou que o descaso das grandes cidades com a qualidade da água de seus rios também é responsável pela sua falta em muitos lugares. Um dos exemplos citados foi o da capital paulista.

A poluição das bacias hídricas é outro fator que agrava a escassez de água disponível nas cidades. A explicação é que, como a contaminação fica mais concentrada nos rios, a sujeira é arrastada para fontes potáveis quando ocorremchuvas intensas.
Uma das recomendações feitas pela cientista do IPCC é substituir o uso de reservatórios para o abastecimento pela construção de aquíferos. Estudos apontam que, com temperaturas mais quentes, as perdas com evaporação em reservatórios podem chegar a índices de 30% a 40%.
Outro ponto destacado na entrevista ao jornal é a necessidade de reflexão sobre o uso racional da água pela sociedade. Blanca Cisneros ressalta que este recurso precisa ser melhor valorizado. Ela cita, por exemplo, medidas que devem ser implementadas como o reúso e a reciclagem da água.

Esta semana noticiamos aqui no site do Planeta Sustentável que Campinas será a primeira cidade do Brasil a utilizar água tratada de esgoto para o consumo humano. Esta certamente será uma das muitas adaptações que deverão acontecer em metrópoles do mundo inteiro nas próximas décadas para que as mesmas possam garantir o abastecimento de água para suas populações.

Fonte: Planeta Sustentável

Link permanente para este artigo: http://www.hidroex.mg.gov.br/?p=282

out 13 2014

Unesco-HidroEX realiza curso em Moçambique

DSC00090


“Gestão Integrada de Recursos Hídricos” foi o tema do curso realizado pela Fundação Unesco-HidroEX, por meio da Diretoria de Capacitação e Ensino, em Moçambique, no período de 29 de setembro e 3 de outubro de 2014. A iniciativa contou com a parceria do Instituto de Investigação em Águas de Moçambique (IIA).


Participaram do curso, 25 técnicos de instituições públicas de Moçambique, que trabalham com recursos hídricos nas áreas de gestão, pesquisa e abastecimento.

Coordenado pela diretora de Capacitação e Ensino da Unesco-HidroEX, Sheila Paiva de Andrade, com a colaboração da diretora do IIA, Roda Muvunga Luis, as plaestras foram ministradas pelos pesquisadores Frank Jaspers e Tibor Stigter do Unesco-IHE, Sofia Brito da Unesco-HidroEX e Antônio Melembe da ARA (Administração Regional de Águas do Centro de Moçambique).

Durante as atividades, os alunos visitaram a captação de água da cidade de Beira, no rio Pungue, a estação de tratamento de água da FIPAG – Fundo de Investimento e Património do Abastecimento de Água e conheceram a lavoura de cana irrigada da usina açucareira Tongaat Hulett, também com água captada do rio Pungue. Já ao final do curso, os alunos dividiram-se em grupos para o trabalho sobre Gestão de Águas Aplicado às Organizações de Moçambique, onde debateram entre si e apresentaram propostas para a Gestão Sustentável de Águas em bacias hidrográficas do país.

Link permanente para este artigo: http://www.hidroex.mg.gov.br/?p=277

out 09 2014

Quer ficar por dentro sobre o que está acontecendo na Cidade das Águas?

8

Alunos de Comunicação Social – Jornalismo da UEMG e estagiário da Unesco-HidroEX produzem reportagem sobre o andamento das obras no complexo Cidade das Águas.

Confira a reportagem completa aqui:

Link permanente para este artigo: http://www.hidroex.mg.gov.br/?p=274

out 07 2014

Agroecologia: Fundação Unesco-HidroEX levanta essa bandeira

10668848_10202820472776419_30153433073808773_oÉ para que as atuais e futuras gerações possam saborear um tomate sem qualquer tipo de agrotóxico, como a pequena Isadora, que a Fundação Unesco-HidroEX defende e capacita os agricultores para o cultivo de produtos orgânicos. Os primeiros resultados já estão sendo colhidos. Parabéns, doutora Tania Brito, engenheiro Marco Antônio Castanheira e aos pequenos produtores que acreditam que mais do que produzir é fundamental colher produtos de qualidade. De forma especial, ao Lucas Marco Morais, pioneiro nessa iniciativa em Frutal.

Link permanente para este artigo: http://www.hidroex.mg.gov.br/?p=265

jun 30 2014

Comunicado sobre o Mestrado

A matrícula do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade Socieconômica Ambiental – Mestrado Profissional foi estendido até o dia 04 de julho de 2014.

Comunicamos que no dia 04 de julho de 2014, a Fundação UNESCO-HidroEX terá seu expediente até as 14 horas, devido ao jogo do Brasil.

Os candidatos que forem de outras cidades poderão mandar os documentos necessários para a matrícula via e-mail para evitar o deslocamento até Frutal.

Para a realização da matrícula, necessita-se da ficha de cadastro e requerimento que estão disponíveis para download AQUI!

Para a matrícula, o candidato precisa provar que estar em dia com as obrigações eleitorais e, se do sexo masculino, provar que está em dia com as obrigações militares.

Para mais informações ou dúvidas sobre o mestrado/matrícula 3429-9547

Link permanente para este artigo: http://www.hidroex.mg.gov.br/?p=252

Posts mais antigos «